Rodrigo Martins ataca governo do Estado: "privilegia o apadrinhamento político"

Ao faz as críticas o deputado fez referência ao empréstimo contraído pelo Estado junto à Caixa

A polêmica envolvendo o empréstimo da Caixa Econômica Federal ao Estado do Piauí repercutiu novamente na Câmara Federal. Em discurso breve feito na tarde desta terça-feira (20), no pleno da Casa, o deputado Rodrigo Martins (PSB) criticou a forma como foram gastos os R$ 307 milhões obtidos através da operação de crédito realizada entre a instituição financeira e o executivo estadual.

Segundo ele ocorreu um desvio de finalidade "dos recursos da Caixa Econômica Federal pelo governo do Estado do Piauí", por isso, "muitas obras que deveriam ter sido realizadas ou iniciadas em várias cidades não saíram do papel".

Rodrigo Martins, PSB (Foto: Divulgação)
Rodrigo Martins, PSB (Foto: Divulgação)

Cobrança

Na oportunidade Rodrigo ainda cobrou do governo estadual a liberação de emenda, no valor de R$ 1,7 milhões, para municípios do Piauí. O deputado afirmou que “todos os trâmites necessários para o empenho foram feitos em 2017”, mas até hoje os recursos não chegaram às cidades por culpa do governo.

"Lamentamos a posição do governo do Estado que ao meu ver só pode ser politiqueira, barata, suja. O Estado prefere deixar a população sem infraestrutura, sem investimento necessário, para estar privilegiando o apadrinhamento político", completou.

Também na tribuna da Câmara dos Deputados, na sessão do último dia (14), Martins havia prometido acionar os órgãos federais de controle, como o Ministério da Transparência, para apurar as supostas irregularidades no empréstimo do Estado com a Caixa.

“Vamos denunciar a falta de transparência que a superintendência da Caixa e do Estado do Piauí tem dado a essa prestação de contas, negando essa prestação aos deputados estaduais para poderem realizar suas fiscalizações. Por isso, senhores deputados, estaremos protocolando hoje denúncia ao Tribunal de Contas da União; Procuradoria Geral da República; Ministério da Transparência, para averiguar a utilização ilegal, politiqueira da Caixa Econômica Federal”, asseverou Rodrigo.

 

 

Mais lidas nesse momento