Rodovia piauiense causa prejuízos para produtores e caminhoneiros

A Transcerrado é responsável pelo escoamento de um terço da produção

A PI-392, conhecida como Transcerrado, tem gerado problemas para produtores e caminhoneiros. A rodovia não é asfaltada e a poeira da estrada impossibilita uma boa visibilidade para quem anda atrás de outro veículo.

Foto: Reprodução/TV Clube
Foto: Reprodução/TV Clube

Sendo a principal rota de escoamento do agronegócio, com um terço da produção de grãos, os produtores precisam realizar a manutenção da via por conta própria. O produtor Egon Milla, um dos responsáveis pela recuperação do local conta sobre uma rotina que já acontece há muito tempo.

“Já estamos aqui há 16 anos e faz parte do nosso trabalho na fazenda a manutenção, construção e abertura de algumas estradas, principalmente manutenção das estradas. Então, nós precisamos investir em algum equipamento e trabalhar muito com os vizinhos pra gente poder manter uma estrada minimamente transitável para poder receber insumos e escoar a safra”, explica.

Os relatos sobre acidentes na PI-392 são comuns. Uma colheita de milho já chegou a ficar perdida na estrada após um caminhão ter atolado em um dos trechos do local, marcando um prejuízo incalculável para os produtores da região.

“É bastante comum os caminhões aqui atolarem, perder muito tempo e em alguns casos tombarem. Perde parte da carga, é um prejuízo dos produtores e um prejuízo muito grande para o caminhoneiro que geralmente danifica o caminhão. Como é um trecho muito grande, é praticamente impossível você ter uma qualidade de estrada de rodagem para ter um escoamento da produção”, desabafa outro produtor, Mikail Laginski.

Segundo a Associação de produtores de soja e milho (Aprosoja) de Baixa Grande do Ribeiro, a PI-392 recebe o serviço de terraplanagem fornecido pelo governo do Estado há três anos, porém nenhuma obra de pavimentação asfáltica foi realizada na estrada.