Meninas, deem as mãos!

Mulheres precisam refletir (e praticar) a sororidade

Olááá pessoas!!!

E hoje um dia muito especial hein... 08 de março, o nosso dia! Dia das belas, guerreiras e batalhadoras MULHERES.

Estou muito feliz em fazer essa postagem para homenagear vocês que lutam a cada dia pela igualdade de gênero. Que precisam ser mãe (dona de casa) e ao mesmo tempo fazem parte da rotina de pequenas e grandes empresas.

Representando por que vocês são mesmo umas heroínas!
Representando por que vocês são mesmo umas heroínas!

Sabemos o quanto merecemos não só os parabéns, o ‘FELIZ DIA’, mas sim o reconhecimento na prática. Queremos sim ter os mesmos direitos e nos ‘empoderar’ por que não? Afinal temos os mesmos deveres que os machões né não? haha...

Mas a pergunta que não quer calar: Você mulher... às vezes, assim meio que por deslize (ou não) acaba que ‘desempodera’ outra mulheres a sua volta?

Vale uma reflexão: quando uma mulher erra uma baliza, você comenta "só podia ser mulher"? Se alguém usa uma roupa muito curta, você faz questão de chamá-la de vagabunda?

Gostaria aqui que você refletisse nessa palavra: SORORIDADE, você já ouviu falar?

Foto: Bolsa de Mulher
Foto: Bolsa de Mulher

Para quem não sabe, a sororidade é simplesmente o fato de uma mulher olhar para outra mulher com solidariedade e sentimento de amizade, ou seja, esqueça a ideia de que mulheres sempre são rivais e que disputam a qualquer custo a atenção dos homens, o cargo na empresa, a coroa de rainha do baile.

“Representa a união entre mulheres em várias dimensões da vida e reflete de maneira exata a expressão 'não somos concorrentes, somos irmãs'”, é o que explica uma matéria do Bolsa de Mulher.

Esse significado é bastante oportuno, por que se formos parar pra pensar quantas vezes julgamos outra mulher pelo jeito dela se vestir, falar ou se relacionar...

Foto: Bolsa de Mulher
Foto: Bolsa de Mulher

Querendo ou não, nós estamos acostumadas a cercar-se de preconceitos e padrões de comportamento. É aquela coisa, desde sempre a gente ouve o discurso retrógrado "mulher não é amiga de verdade de outra mulher".

Mas, se for analisar, quando você atinge uma mulher também atinge a si mesma.

"Temos que aprender que, assim, estamos nos ‘desempoderando’ também. A sororidade não traz o conceito de que devemos amar todas as mulheres, mas que não podemos odiar as mulheres pelo simples fato de elas serem mulheres", avalia a criadora do movimento Vamos Juntas? e autora do livro "Vamos juntas? – O guia da sororidade para todas", Babi Souza.

Foto: Bolsa de Mulher
Foto: Bolsa de Mulher

Infelizmente a mulher já é constantemente colocada como mais incapaz que os homens, mais vulgar que os homens, e tem seu papel no mundo sempre questionado ou limitado, então não vale a pena endossar esse discurso não é mesmo?

Agora que vocês já sabem o significado vamos tentar colocá-lo em prática né, afinal para lutar precisamos estar unidas.