Projeto novo com velhos problemas

O prefeito Firmino Filho (PSDB) está jogando uma cartada para tentar por em prática um projeto de melhoria nos serviços de transporte público de Teresina com esse programa Inthegra, inaugurado nesta segunda-feira (26). Os tumultos verificados no primeiro dia no terminal concluído para dar início às operações do transporte mostram que só a obra física – construções de paradas na faixa de rolamento à esquerda das avenidas – não ajuda e deixa a solução nacabada.

As reclamações dos usuários no primeiro e segundo dias expõem um velho problema que os novos corredores do transporte público não resolverão: a qualidade do serviço prestado pelas empresas. Ora, se no terminal da zona sul registrou-se uma falta de organização na escala de veículos para atender os usuários, imagine quando o projeto chegar a outros troncos instalados na periferia das zonas norte, leste e Sudeste. Os mesmos problemas se registrarão porque as empresas não têm suporte.

Os diretores da Strans se revezaram tanto no primeiro quanto no segundo dia para amenizar o problema, alegando falhas normais de início de operação comuns a esses eventos. Não convenceram. Os ônibus deslocados para reforçar o atendimento aos usuários foram tirados de outras linhas deixando-as desfalcadas. O que ocorre é que as empresas não têm suporte para se inserir no projeto, daí os novos corredores não terem como cumprir o papel de melhorar o sistema.

Faltou ao projeto a preocupação com a qualidade da oferta do transporte, pois atrasos constantes, superlotação e insegurança são os fatores que mais mais provocam reclamações dos usuários. É sabido que a correlação entre as necessidades dos usuários e os conceitos de qualidade aliados a propostas de indicadores de desempenho é fundamental para a busca de eficiência nos serviços. É exatamente o que está faltando para completar a proposta da prefeitura.

Há que se reconhecer que o sistema de transporte coletivo de Teresina é complexo, devido a nossa estrutura urbana construída sob inspiração provinciana. Ruas estreitas, maioria das avenidas com apenas duas faixas de circulação, o que dificulta a execução de um projeto dessa envergadura. Mas o problema do transporte urbano da cidade não se concentra nesse desenho mas sobretudo no serviço prestado, daí a prefeitura ter tido a preocupação de exigir qualidade para colocar seu projeto de melhoria em prática.

Operar um sistema integrado como esse requer, como o próprio nome dar significado a ele, uma integração entre a estrutura oferecida pelo poder concedente e os serviços do concedido. O que não ocorreu nos primeiros dias de sua implantação pela simples razão de que os velhos problemas que motivam as queixas dos usuários se repetiram na mesma medida de antes. Ou a prefeitura se impõe para exigir das empresas uma melhoria nos serviços ou o sistema não sobreviverá, mesmo diante dessa última cartada do prefeito.