Um factóide que morrerá no nascedouro

Luciano: candidatura sem base partidária
Luciano: candidatura sem base partidária

A busca por um nome que possa encabeçar seu palanque nas eleições de outubro parece indicar que a oposição no Piauí está sem rumo. Depois tentar com o ex-senador João Vicente e o empresário Jesus Filho, eis que agora surge o nome do deputado do PSDB Luciano Nunes como pré-candidato a governador. A justificativa é de que a oposição precisa lançar mais de um candidato para avançar nos espaços do governador Wellington Dias (PT) e forçar a realização de um segundo turno.

Assim como a candidatura dos dois empresários (um deles, o ex-senador), o nome de Luciano Nunes acabe se transformando num balão cheio de oxigênio que sobe a uma pequena altura, perca força e acabe voltando ao solo sem decolar. Ora, a candidatura do deputado tucano nada mais é do que uma notícia plantada na imprensa – alguns blogs, sites, portais e jornais a repercutiram – porque ela não surgiu dentro do próprio partido, porque até mesmo o prefeito Firmino Filho a desconhece.

O que se sabe é que, chamado a um encontro com o ex-governador Wilson Martins, presidente do PSB e candidato a senado, a resposta de Firmino ao cerco feito ao prefeito para apoiar um nome que lidere o palanque da oposição, ele indicou o nome do empresário André Bahia, o que desagradou seu interlocutor que lhe retrucou com palavras impublicáveis, por achar a resposta um deboche. Isso significa que Firmino não é candidato nem apoiará um candidato dentro de seu partido.

É desconhecido, porém, o motivo que levou o deputado Luciano Nunes a entrar neste jogo que não soma nada para ele em termos de ganhos políticos, pois pouquíssimas pessoas acreditam que esse tucano abrirá mão de se reeleger para mais um mandato na Assembléia para entrar numa aventura eleitoral em que seu papel é apenas o de um “bucha de canhão”, ou seja, servir de escada para os que estão desesperado por um palanque para atingir seus objetivos na eleição de outubro.

Que o sonho do deputado tucano é o de um dia ter a oportunidade de se candidatar a prefeito de Teresina, ninguém questiona. Mas ele está escolhendo o pior atalho, que é entrar num jogo em que nada vai contabilizar para realizar seu projeto em termos políticos e eleitorais. É bem mais vantajoso politicamente para Luciano se candidatar dentro de um mandato de deputado estadual – em 2020 ele estará cumprindo metade dele – do que fora dele e carregando um resultado eleitoral pífio que vai inviabilizá-lo.

Essa candidatura Luciano Nunes só existe na cabeça de alguns criadores de fatos que tentam se inserir dentro do debate sucessório para sair do isolamento, já que sem um nome para participar das discussões, eles ficam sem espaços e sem exposição. Resta a Luciano Nunes refletir se vale a pena participar desse jogo onde dentro dos próximos dias será deixado de lado, pois essa candidatura não passa de um factóide que tem prazo para cair no esquecimento. Afinal, sem o apoio de seu partido sua candidatura morrerá no nascedouro.